Egolatria

06 novembro 2008

Fui assistir Jogos Mortais V (essas seqüências de filme me cansam!) e por mais forçado, sangrento e tenso (ou tedioso? Fico na dúvida.) que seja, tenho que concordar que o roteiro é inteligente. Dessa vez Jig Saw me fez refletir, acredita?

O jogo proposto desta vez (é, o cara já morreu, mas deixou uma herança!) envolve o trabalho em equipe. São cinco pessoas que acordam naquelas mesmas salas medonhas, escuras, lamacentas e têm algo em comum. São avisadas (pela bendita gravação na TV)que precisam passar por etapas e que devem pensar juntas para que possam sobreviver até o final.

O que acontece é o inevitável:  A luta individual prevalece e o objetivo de pensar em grupo não tem vez. É o famoso "salve-se quem puder" em que o egoísmo comanda.

Mas, o post não é sobre o filme. A questão é que refleti sobre o individualismo. É correto pensar em você mesmo antes de pensar nos outros? Já discuti muito sobre isso e as controvérsias sempre estão presentes. Ser individualista pode ser bom, mas não pode virar egoísmo.  Eu não me anulo por querer fazer o bem primeiro a quem eu gosto, antes fazer a mim mesma. Isso me faz bem, ué! E sou assim desde que me conheço por gente.

Me cansa essa sociedade que quer se mostrar generosa atrás dos panos cheios de interesse. Sejam políticos, econômicos, sociais ou sei lá mais o quê! Me cansa ver falsidade, as firulas, os rodeios. As puxa-saquices em nome próprio. Me cansa as notícias da Folha que só falam do vestido que a mulher de Obama usou na noite da vitória e do cachorro que vão comprar para a sua nova residência, a Casa Branca. Eles esquecem que o preço do saco da ração do cachorro e o banho que ele tomará periodicamente no veterinário custará mais do que uma criança na Etiópia consome com alimentação durante uma semana. Exageros à parte, isso faz parte do meu desabafo.

Recebi um e-mail com uma baita sabedoria:

"Deus convidou um homem para conhecer o céu e o inferno.

No inferno, o homem viu uma sala e em seu centro havia um caldeirão cheio de apetitosa sopa. À sua volta estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas. Cada uma delas segurava uma colher, porém, o cabo era muito comprido impedindo que colocassem a sopa na própria boca. O sofrimento era grande.

Em seguida, foram até o céu. Entraram em uma sala idêntica a primeira, com o mesmo caldeirão, as pessoas em volta e as colheres de cabo comprido. A diferença é que todos  estavam  saciados.  Não  havia  fome, nem sofrimento.

- Eu não compreendo. Por que aqui as pessoas estão felizes enquanto na  outra sala morrem de aflição, se é tudo igual? - o homem perguntou a Deus.

Deus sorriu e respondeu:

- Você não percebeu? É porque aqui eles aprenderam a dar comida uns aos outros."     

Não é olhando para o próprio umbigo que iremos transpor as barreiras.

3 comentários:

Vanessa disse...

Voltei pelo seu comentário e achei novo post, oba!
eu não consegui ver esses jogos mortais, meu marido assistiu uns 3 ou 4 em um fim de semana mas a idéia de cada um por si e morram todos me deu voltas no estômago. Sim, concordo plenamente que sozinho não se chega a lugar algum. E, caso se chegue a lugar algum, este deve ser um lugar sem graça.
By the way, sou eu quem escreve os contos do Fio sim, ora :-P. Bjs

Igor Garcia disse...

Rê,

Endosso sua afirmação sobre a individualidade! Muitas pseudo-ONGS criadas por políticos cumprem esse papel. O dia que houver cumplicidade de que dependemos um dos outros será que staremos numa nova idade da pedra? Só o futuro dirá! Mas eu não esquento a cabeça com relação a abrodagem superficial que fazem ao Obama, a mulher, o vestido e ao cachorro, porque essa matéria não é para mim, entendeu? Essas babaquices a midia apresenta porque tem gente que LÊ, como tem pessoas que roubam revista CARAS ou assinam para saber da vida dos outros, porque é incapaz de se preocupar com a própria vida. Em relação a Mídia, não importa o meio, nem o assunto, se tem quem leia, então vende!

Adorei inclusive a reflexão sobre compartilhar a comida para todos comerem!

E afirmo que para alguma coisa prestou essa bosta de filme de Jogos Mortais!!! O unico que é considerado por mim como algo inteligente, inusitado e criativo no genero terror, que sou fã, foi o primeiro Jogos Mortais. O RESTO, é igualzinho a revista CARAS: Porque vão fazer até os Jogos Mortais 6? Porque tem quem compre os ingressos para assistir! ;-)

Bjs n'alma!

Cadinho RoCo disse...

A publicação por si só já demonstra espírito de partilha. E como se não bastasse chama a atenção para a atitude de solidariedade que legitima a intenção em contraste à que limita-se ao plano estético camuflando a presença do egoísmo, ou do egocentrismo. Renata, entro em fase que é fruto do que aqui está exposto. Pinto camisetas e preciso vende-las, porque tudo que faço na vida passou a não valer nada no mercado de trabalho e preciso viver. Só que com as camisetas acontece o mesmo. Muito elogio e pouca resposta prática. E o resultado é uma bela enxaqueca que não me deixa e o meu dizer impregnado pela necessidade da venda das camisetas. Isto porque na minha trajetória profissional o que mais encontrei foi interminável especulação em cima da necessidade alheia no propósito de ganhar, obter lucro com o trabalho alheio. Cansei disso. O egoísmo é demonstração de atraso, atitude própria da mais completa ignorância social.
Cadinho RoCo